terça-feira, 20 de abril de 2010

Início dos trabalhos para Judite


Judite quer chorar ?


O convite se inicia... num dia que poderia ser escuro, claro, chuvoso, ensolarado, uma tarde de aurora, uma madrugada de festa, o convite está feito e Judite está lá a espera do tempo, das pessoas, dos afetos, da palavra.


A sorrateira lagarta que se esconde no montinho verde, oferece a todos seu chá de vida temperado com dores, alegrias, conquistas cheias de medo e vontade. Juditecasulomariposa conversa, conversa, conversa e conta sua história, aquela que poderia ser a minha, a sua, a nossa...


Não!

Essa história é de Judite...
Uma colcha colorida de retalhos azuis e brancos iluminados pelo desejoso corpo de Edu O. com . no final que pede mais ..


A sua Juditecasulomariposa costura a vida em linhas cheias de inspiração, compartilhando olhares e corpos em múltiplos gestos que não se findam, repletos de dança.


Sim!!!

É a dança de Judite, que quer ser casulo, diz que não é mariposa, mas mesmo assim já voou nos degraus da vida. A escada está lá, pronta para subir, ou simplesmente dançar. Ela é morada de EduJuditecasulomariposa que se entrelaça e brinca de voar... Neste emaranhado de entra- e- sai cíclicos o corpo mariposacasulo de Edu O. não se finda com o ponto, mas transfigura-se em universais pontos de partida.


Ana Carolina Teixeira


A partir de hoje pensei em colocar depoimentos de amigos/público que escreveram sobre Judite que tomará conta do meu corpo no final desta semana no SESC-SENAC Pelourinho. Sou declaradamente o "cavalo" dessa bichinha. Já falei demais sobre este projeto que é tão grandioso e que tomou proporções maiores do que eu poderia imaginar. Como sou o pai de Judite, deixo a palavra para quem teve a experiência de conhecer a lagartinha danada que não pára quieta no lugar, embora acredite que não se mova.

Esta semana será dedicada a ela que tanto sucesso fez/faz por onde passou/passa. É também uma forma de ir retomando as formas de Judite, depois da experiência marcante que foi Odete. Espero que todos que apareçam por aqui pelo meu "Monólogos" se encantem com as palavras emprestadas dos meus convidados. Nesta semana teremos Diálogos na Madrugada. A sessão está aberta com o belo texto de Carol que sempre me ensina muito com sua experiência na dança, na vida. e é sempre bom agradecer: Obrigado, Gatinha!

2 comentários:

Ninguém disse...

Eu que agradeço a tua presença na minha vida!
Sucesso e que venham novos voos para todos nós, não é gatinho?
Beijooo
Carol.

Gerana Damulakis disse...

Continue, sim, colocando os depoimentos. Eu gosto.