quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

O que aquece o coração

Quando o email começa se tornar baú de lembranças. Um achado de Abril de 2012. Recordações que aquecem o coração.



*Era uma noite muito bonita: parecia com o mundo*.* Foi assim que percebi aquele dia em que a noite não escureceu em meus olhos, ou melhor dizendo, em que eu não vi a noite. Ou será o dia que não teve noite?

Partindo de Londres à China esperei a noite cair e ela não caiu. O tempo todo claro e então me dei conta de que estava adiantando o dia, avançando a ampulheta. Parado naquele avião que voava em velocidade assuatadora assisti
a dois filmes, terminei um livro, li dois textos para o mestrado, escrevi coisinhas e pensei... Eu estava nas nuvens! Viajando com a Candoco Dance Company para apresentações em Xangai e Pequim. Eu estou do outro lado do mundo e às vezes me sinto tão em casa, porque é o mundo onde habito.




Hoje será nossa primeira apresentação em terras chinesas, no Shanghai Lyceum Theatre. Pensando que em minha terra estamos comemorando o Mês da Dança, me sinto mais próximo dessa comemoração. Estou dançando o mês inteiro, entre ensaios e apresentações. Há maneira melhor de comemorar do que realizando seu ofício? Do que compartilhar sua arte com o mundo?

Engraçado pensar na distância e no tempo. Há 10 anos eu conhecia o Candoco. Há 10 anos venho alimentando o desejo de estar com eles, de fazer parte desta equipe. Tempo distante. Alguns afirmam que 10 anos é um período
cíclico. Estou começando a fechar essa etapa que finalizará em Setembro, nas Olimpíadas Culturais. E tudo que ganhei, toda experiência vivida, todo amadurecimento valeu a espera da noite. *E quando tudo começou a ficar inacreditável, a noite desceu.**

Daqui seguiremos para Pequim, para mais duas apresentações sexta e sábado. Infelizmente alguns sites são bloqueados na China e não posso acessar meu blog, nem o facebook para postar fotos do lugar.

Um beijo em todos. Obrigado. Partindo para o teatro, às 10:20h de terça, aí ainda é noite de segunda, né?.

*Trecho do livro Uma aprendizagem ou o livro dos saberes - Clarice Lispector
Edu O.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Hoje, eu só quero falar de João

Quando nos conhecemos, em 2010, surgiu o desejo do encontro. Um processo que foi sendo construído com cuidado, com afeto, admiração crescente e o desejo... Sempre ele a mover, transformar, levar adiante.

Primeiro, era uma ideia óbvia de juntar as rodas que nos levam pelo mundo. Ele em sua bicicleta, eu na minha cadeira. 

Em 2012, surge - entre nós - "do amor de um pássaro por um lagarto"* e desde então, fomos talhando quase que artesanalmente as possibilidades reais de fazermos algo juntos.

Surgiram andaimes, voos, rapel, saltos e voos. Grandiosidade que, talvez, refletisse o tamanho do desejo de dançarmos um na companhia do outro. Nada disso! Éramos artesãos de mãos finas e atenção delicada aos detalhes. Hoje, eu só quero falar de João. Foi ele quem me parou numa praça e me propôs esse encontro. É ele o responsável pela existência de Kilezuuummm.

Parceiro generoso e acolhedor. Colo, costas, um peso leve para não machucar em momentos de dança. Um meninão me ensinando a voltar a brincar como no quintal da Rua C onde eu criava todos os mundos possíveis, sem saber que esse quintal se transformaria na sala de um casarão do Comércio de Salvador.

João me trouxe a sensação de amizade nova que chega de mudança na casa vizinha e chega como quem não quer nada e joga uma bola na varanda só para eu devolver e começar a brincadeira. Nós jogamos um bolão em cena e nossa conexão é tão grande que em determinados momentos, viramos um. Viramos Kilezuuummmm!



foto Aldren Lincoln

*Texto de Gero Camilo

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Carta para um amor derramado - Kilezuuummmm


Amor, realmente, não consigo escrever a apresentação. Não consigo dizer apenas que Kilezuuummmm é um projeto que nasce do desejo de encontro entre Edu e João Rafael em dançarem juntos com suas rodas - da cadeira e da bicicleta, respectivamente. Dizer que ficaram anos nessa tentativa de se tocarem, mirabolando ideias até encontrarem o conto "do amor de um pássaro por um lagarto", de Gero Camilo e identificarem ali possibilidades de uma criação em conjunto. As rodas deixaram de ser importantes, assim como andaimes, espetacularidade, virtuosismo... Chegamos ao Gira Dança e o detalhe, a sutileza, o processo relacional tomou uma dimensão até política, discurso, ação que transforma. Então, vem a Casa Charriot e todos os seus cantos abertos em uma escuta sensível para acolher o projeto que necessitava de um espaço próprio para existir. Um casarão antigo no Comércio de Salvador... muda entrada, constrói rampa, recupera elevador para receber todas os diferentes, enquanto Kilezuuummm gira em suas cordas que cantam melodias para curar o amor, se arrasta em rabadas de amor derramado e lambidas antropofágicas que torna um porção do outro. No meio de tudo isso, chega Thiago e nos ensina a esculpir nuvens com tanta generosidade e afeto que os bichos da terra e alados uivaram. Nós, todos da equipe de Kilezuuummmm, nos tocamos com tanta verdade e amor, em dias de companhia, que construímos momentos onde até quem lambe os lábios da intolerância e violência, aprende a escrever poemas na areia.

beijos! Te espero com melodias para curar o cansaço


arte de William Gomes

#pracegover Descrição da imagem: Sobre cartaz quadrado com fundo rosa e com manchas brancas como nuvens escupidas, no topo a esquerda símbolo em branco da Audiodescrição formado pelas letras AD maiúsculas seguidas por três ondas sonoras a sua direita. No centro e no topo se lê em branco e fonte pequena: Governo da Bahia apresenta, logo abaixo em fontes maiores: Edu O. e João Rafael Neto em KILEZUUUMMMM. A letra Z maior, interliga as silhuetas de um pássaro e um largarto que repousam sobre as letras KILE e a Direção Thiago Cohen logo abaixo das letras UUUMMMM. Também no topo e a direita, símbolo de classificação “Livre”. 
Abaixo, foto de dois homens planando no espaço. Edu, à esquerda, de olhos fechados está envolvido por um tecido cinza e azul, preso por cordas. Calvo e barba com leve grisalho, vê-se apenas sua cabeça de perfil e os braços cobertos por camisa de mangas longas na cor vinho. Suas mãos tocam suavemente o pescoço de Rafael à direita, que aconchega a cabeça em seu colo. Enquanto uma das mãos de Rafael toca suavemente a lateral de Edu sobre o tecido, a outra sustenta-se por uma fina corda. Ele também de olhos fechados, tem cabelos curtos com leves entradas e barba cheia preta. Veste uma camisa com mangas longas na cor vinho com listras horizontais pretas e calça comprida azul marinho com listras brancas nas laterais. Até que enfim os amados se tocaram e ali mesmo amaram-se.
Imediatamente abaixo e a esquerda, se lê: 24 e 25/11, 01 e 02/12 16h. 05/12 10h, 06/12 15h. Casa Charriot. Beco do Frazão, 64, Ladeira do Taboão, Pelourinho (Entrada acessível). A direita: $ 10 / 5. Bilheteria no local 2h antes ou www.sympla.com.br/eventos?s=Kilezum
Na base do cartaz: Logomarca do Instagram KILEZUUUMMMM e do Facebook KILEZUM. Parcerias: Casa Charriot, Centro Técnico do TCA, Théátre Comunicação, Ateliê Cenográfico e Olho de Vidro. Apoio Financeiro: logomarca da Fundação Cultural do Estado da Bahia, Fundo de Cultura e Estado da Bahia. Todos na cor branca. Fim da Descrição

**Espetáculo de dança Kilezuuummmm
Quando:
24 e 25 de novembro, 1º e 2 de dezembro, às 16h;
5 de dezembro, às 10h;
6 de dezembro, às 15h

Onde: Casa Charriot – duas entradas: rua Conselheiro Lafaiete, no Comércio, n° 5; e entrada com acessibilidade no Beco do Frazão, Pelourinho, n° 2 (entra na grade da Superzon)

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)


domingo, 18 de novembro de 2018

Dançando Novembros

Dançar, talvez, seja o que mais me revela, diz quem eu sou, me faz feliz, me coloca no mundo! 

Sem a Dança eu não sei o que seria. 


Ana tem medo escuro - Grupo X
foto Nei Lima


Acho bonita essa nossa relação - minha e da Dança - quase improvável quando eu, ainda criança, me sabia artista da cena, mas não me via nela. 

Eu/nós não existia/existíamos em cena, a não ser como aberrações. Hoje, me percebo em meio a outros pares, agentes transformadores, políticos, necessários para transformações de paradigmas, padrões.

Ao longo de 2018, tive - continuo tendo - uma agenda cheia de colheitas do que plantei durante minha vida:

- Ano intenso como professor e pesquisador na Escola de Dança da UFBA e aprender junto com os estudantes (quanto mais a gente ensina mais aprende o que ensinou) nas aulas e nos projetos propostos por eles (Kathleen, Will, Bia e Gustavo);


Audionudescrição com William Gomes
foto William Gomes


- Comemorar os 20 anos do Grupo X com programação intensa, desde Janeiro (Casarão Barabadá, VivaDança, Praças de Salvador, Palacete das Artes);


"Se você quiser..." apresentação no Largo do Santo Antônio


- Ver Bonito se consolidar e participar de importantes eventos na Bahia (Mostra Braskem, Festival Aldeia Velho Chico, FIAC, Jornada da Dança);



Bonito - foto Aldren Lincoln


- Conseguir realizar o Euphorico;

- Ser convidado para palestras e oficinas em diversos lugares (inesquecíveis México, BH, Araraquara, Pará...)

- Participar de ProfanAção - curta de Estela Laponni que é reboliço para quem vê;

- Viver a experiência Kilezuuummm - projeto que é afago e transformação, verdade e poesia, amor, amor, amor derramado...



Kilezuuummmm com João Rafael Neto
foto William Gomes

Obs.: Prestem atenção na agenda ao lado e venham prestigiar nossa programação






quinta-feira, 25 de outubro de 2018

A Floresta - Kalil Gibran

Na floresta não existe nem rebanho nem pastor
Quando o inverno caminha
Segue seu distinto curso como faz a primavera
Os homens nasceram escravos daquele que repudia a submissão
Se ele um dia se levanta e lhes indica o caminho
Com ele caminharão
Dá-me a flauta e canta
O canto é o pasto das mentes
E o lamento da flauta perdura mais que rebanho e pastor.


Na floresta não existe ignorante ou sábio.
Quando os ramos se agitam a ninguém reverenciam
O saber humano é ilusório
como a serração dos campos que se vai quando o sol se levanta no horizonte.
Dá-me a flauta e canta
O canto é o melhor saber
E o lamento da flauta sobrevive ao contilar das estrelas.


Na floresta só existe lembrança dos amorosos.
Os que dominaram o mundo e oprimiram e conquistaram
os seus nomes são como letras dos nomes dos criminosos.
Conquistador entre nós é aquele que sabe amar.
Dá-me a flauta e canta
E esquece a injustiça do opressor.
Pois o lírio é uma taça para o orvalho
E não para o sangue.

Na floresta não há crítico nem censor
Se as gazelas se perturbam quando avistam o companheiro
a águia não diz: que estranho.
Sábio entre nós é aquele que julga estranho apenas o que é estranho.
Ah, dá-me a flauta e canta
O canto é a melhor loucura
e o lamento da flauta sobrevive aos ponderados e aos racionais.


Na floresta não existem homens livres ou escravos.
Todas as glórias são vãs como borbulhas na água.
Quando a amendoeira lança suas flores sobre o espinheiro não diz:
“Ele é desprezível e eu sou um grande Senhor.”
Dá-me a flauta e canta
que o canto é glória autentica
E o lamento da flauta sobrevive
Ao nobre e ao vil.


Na floresta não existe fortaleza ou fragilidade
Quando o leão ruge não dizem:“Ele é temível.”
A vontade humana é apenas
uma sombra que vagueia no espaço do pensamento
e o direito dos homens fenece
como folhas de outono.
Dá-me a flauta e canta
O canto é a força do espírito
E o lamento da flauta sobrevive ao apagamento dos sóis.


Na floresta não há morte nem apuros.
A alegria não morre quando se vai a primavera.
O pavor da morte é uma quimera que se insinua no coração,
pois quem vive uma primavera é como se houvesse vivido séculos.
Dá-me a flauta e canta
O canto é o segredo da vida eterna
E o lamento da flauta permanecerá após findar-se a existência.



sábado, 8 de setembro de 2018

Quando entrou Setembro

Quando entrou Setembro, já anunciavam-se viagens, encontros, trocas e aprendizado. Sigo para uma série de eventos em Belo Horizonte, Araraquara e Belém. Vai ser uma delícia!




I ENCONTRO CORPOS MISTOS e 
II CONGRESSO AUTISMO – DANÇA E EDUCAÇÃO 
UFMG - Belo Horizonte - MG

12 de setembro  

14h às 17h30min 
Mesa Redonda: Inclusão em Debate 
Auditório EBA - UFMG

19h às 21h 
Jam Improvisação - Dança, Teatro e Música 
(conduzida por Edu O. e Anamaria Fernandes)
Sala Preta - Curso de Licenciatura em Dança - UFMG

13 de setembro

9h30min às 11h30min 
Oficina de Dança com Edu O. 
Sala Otávio Cardoso - Teatro Universitário - UFMG

14h30min às 17h30min 
Mesa Redonda: Entrelaçamentos Éticos e 
Estéticos da Diferença 
Auditório da EBA - UFMG



FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇA DE ARARAQUARA
Araraquara - SP

19 e 20 de setembro

9h às 12h 
Mini-curso para docentes 
Acessibilidade e Políticas Públicas 
Centro Internacional de Convenção

20 de setembro 

20h 
Espetáculo Odete, traga meus mortos 
Edu O. e Lucas Valentim 
Teatro Wallace Valentin Rodrigues

21 de setembro 

16h às 18h 
Oficina de Dança, acessibilidade e políticas públicas 
Escola Municipal de Dança Iracema Nogueira


XI SEMINÁRIO DE PESQUISA EM DANÇA DA UFPA 
Dança e Diversidade
Belém - PA

25 de setembro

9h30min 
Performance Stripetease-Bicho

10h 
Palestra Trajetória de um Corpo Perturbador

25 e 26 de setembro
16h30min 
Oficina Desejos Destoantes: 
experimentos para diversos corpos dançantes




quinta-feira, 16 de agosto de 2018

ProfanAção - Festival de Curtas de SP



O menino que sonhava em ser protagonista da novela das oito, agora se vê - pela segunda vez - nas telonas do cinema. 

ProfanAÇÃO é um curta babeiro criado por Estela Lapponi, selecionado pelo Festival de Curtas de SP 2018.






domingo, 15 de abril de 2018

Fazendo a festa



Iniciei minha trajetória na Dança em 1998, com o Grupo Sobre Rodas...?, no ano seguinte entrei para o Grupo X de Improvisação em Dança e daí a Dança tomou conta da minha vida e nunca mais nos separamos.

Nesse Mês da Dança, nada melhor do que comemorar meus 20 anos na Dança (assim como os 20 anos do Grupo X) dando aula na Escola de Dança da UFBA e com minha agenda cheia de apresentações. Vem comigo!


foto Andrea Magnoni

19/04 - 19h - performance Striptease-Bicho no Cabaré Covil - Seminário Corpos Políticos - Escola de Dança da UFBA (gratuito)

20/04 - 9h às 12:30 - Muvuca Cênica - Seminário Corpos Políticos - Escola de Dança da UFBA (gratuito)

20 e 21/04 - 19h - Se quiser, deixe sua lembrança! - com o Grupo X de Improvisação em Dança - Festival VivaDança - Teatro Vila Velha($20,00 e $10,00)

23 a 28/04 - residência artística internacional Euphorico: Tujur - com o Grupo X e Cie Artmacadam - 14h às 18h - Festival VivaDança - Teatro Vila Velha (aberto ao público)

26/04 - 19h - Se quiser, deixe sua lembrança! - Abril o Corpo - Teatro Gamboa Nova ($20,00 e $10,00)

27 e 28/04 - 19h - apresentação Euphorico: Tujur - Festival VivaDança - Passeio Público (gratuito)



domingo, 25 de março de 2018

Deslocar paredes

Eu preciso deslocar paredes
Deslocadas
Removidas
Palpitadas
Deslocadas
Comprimidas
Sobrepostas
Sobressaltadas
Soltas das conversas fiadas
Compridas

Eu preciso deslocar paredes
Removê-las
Rebocá-las

Deslocar paredes
Paredes rebocadas
Removidas
Vidas
Vidas deslocadas
Deslocá-las

Lares
Ares
Comprimidos

Paredes de lares comprimidos
Eu preciso deslocá-las
Colocá-las

Removidas
Remo
Vidas


quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Agradecer, celebrar e cuidar do futuro


Balançando 2017


Alguma coisa mudou em mim ao revisitar minha vida sob o olhar muito cuidadoso de Ju Bacelar com a participação na campanha do dia da pessoa com deficiência promovida pelo Ministério Público do Trabalho-SP em parceria com a Organização Internacional do Trabalho. Video acessado por mais de 90 mil pessoas, pelo qual recebi muito afeto e encontrei parceiros de trajetória semelhante. 



Repeti como mantra os versos da canção de Roberto Mendes e Jorge Portugal: 

Quanto mais a gente ensina, mais aprende o que ensinou




Um ano Bonito de amadurecimento e amizade com Lucas Valentim, William Gomes, Lulu Pugliese, Olga Lamas, Lia Lordelo, Paula Lice, Taty Hayne, Raiça Bonfim, Junior Oliveira, Moisés Victório, Neila Kahdi, Mayra Lins, Aldren Lincoln, Daniel Guerra, Iracema Vilaronga, Juniro Almeida, Cintia Santos, Ana Brandão, IBCM, Instituto de Cegos da Bahia...

Que bom tê-los perto!


A poesia tomou conta do olhar - livro Bonito 
escrito por mim e Lucas Valentim, com ilustrações de Aldren Lincoln e William Gomes

Com Bonito veio também Carroça-Bonito, com William Gomes



Um evento acadêmico se tornou momento de puro amor - I Enicecult


Nus e (des)graçados foi abalo cósmico com Estela Lapponi


Dublei, arrochei, me acabei com o Striptease-Bicho, no Cabaret Drag King


O Grupo X de Improvisação em Dança bombou com Ana tem medo do escuro


E eu vivi momentos inesquecíveis com o Euphorico



Judite me proporcionou um novo encontro com o Caboclo Arthur Scovino, 
no Seminário Diversidade e Inclusão no Trabalho, promovido pela OIT e MPT-SP.




E 2018 promete muito mais. Evoé! Que assim seja!



 Daqui a pouco começaremos as comemorações

projeto 20 anos do Grupo X

20 anos que comecei a dançar

Euphorico

encontro com Estela Lapponi

no segundo semestre vem também Kilezuuummmm com João Rafael... 

ou seja, se preparem!