domingo, 11 de julho de 2010

Uma brisa

Voltando do blog de Chorik que escreveu sobre o caso da morte de Eliza Samudio, mulher que teve um filho com o goleiro do Flamengo, Bruno que a matou junto com outros criminosos, de forma brutal e inacreditável. Não terei capacidade de falar sobre isso, não me sinto capaz de tecer comentários sobre este caso que chocou a todos e a mim me deu uma sensação estranha sobre o humano, como se definhassemos. Não sei.....

Cazuza pedia um remédio que lhe desse alegria. Acho que todos nós estamos precisando um pouco desse remédio. É muita risteza ver a barbárie acontecendo e saber da frieza e ver a vida pode ser igual a ração de cachorro.

O que nos falta ou o que nos sobra?

Como artista, penso que a arte pode servir para melhorar o Homem. Ter contato com o sensível, com o belo. Belo não na forma, na capa. Ter contato, por exemplo, com a música de Johnny Alf, a poesia, a delicadeza. Tenho certeza que isso faz de alguém melhor na vida. Não é possível que não.

Eu e a Brisa é uma música linda e neste vídeo está sendo cantada por Baby do Brasil, no show apresentado em Março em São Paulo, show que tive o privilégio de ver e me emocionar.

Quero deixar, hoje, aqui no blog, um remédio para que possamos lembrar que existe o outro lado da moeda, que o humano é capaz de fazer pérolas.


Um comentário:

Chorik disse...

É bem por aí, Edu. Muito bom te ler. Abraços.