quinta-feira, 22 de julho de 2010

Chorando brisa

Que seja doce Que seja doce Que seja doce

Dormiu repetindo essa frase como um mantra. Segurou a respiração e mergulhou naquele mar que só ele conhecia. Ouviu uma música suave e quase chorou. O dia as vezes parece bater.

Que seja leve Que seja leve Que seja leve

Acordou no meio da madrugada escutando o que crianças gritavam no sonho. Era um sonho bom, mas despertou como num pesadelo. Os sonhos as vezes podem agredir.

Saiu sem medo da violência e sentou em frente ao mar como fazia há muito tempo com um amigo agora distante. Chorou aquele mergulho. Lento, suave, quase chorando brisa. Agradeceu a horinha de descanso e agora continua amanhecendo o dia como quem nunca dormiu.

6 comentários:

Bernardo Guimarães disse...

que bonito, edu!

Maria Muadiê disse...

me deixou comovida como o diabo!

- Luli Facciolla - disse...

Assim eu morro...
Mais uma vez no mesmo clima, amigo! Vai lá ver...

Beijo

Gerana Damulakis disse...

Muito bacana, Edu.

Nilson disse...

Leve e doce. Como um mantra!

Jai disse...

Este texto Du, remete-me a foto de abertura do seu Blog!!! Mera coincidencia, ou e real...