segunda-feira, 12 de julho de 2010

A espera

Não há coisa mais insuportável do que a espera. Perdemos tempo, energia, passam-se oportunidades enquanto estamos a esperar. Esperar o táxi que não chega no horário, esperar o amor que não veio quando imaginávamos, quem sabe depois do tempo da delicadeza, esperar a funcionária do banco abrir a porta para deficiente, esperar a fila do banco, esperar a máquina dizer que não consta nenhum depósito na sua conta.


Aí você conta até dez e repete a operação. Não, não consta nada mesmo. Aliás, consta as inúmeras correspondências que o banco envia te informando que o saldo está negativo, mais precisamente R$ 40,47 negativos. Acho importante declarar os valores aqui porque se trata de Edital do Governo, do projeto O Corpo Perturbador, então tem que estar tudo bem esclarecido.

Em fevereiro fui informado que as diligências do projeto foram aceitas e estava tudo ok para a assinatura do TAC (Termo de Acordo e Compromisso). Nessa época tive que abrir a conta do projeto para enviar a FUNCEB que enviaria ao Fundo de Cultura. Pois bem, meu povo, resumo da ópera. Só assinei o TAC em Junho com a promessa de depósito início de Julho, já estamos em meados do mês e nada feito. A conta só aumenta o tom do vermelho e essa dívida terei que pagar do meu próprio bolso, porque o Estado não se responsabiliza pelas taxas bancárias.

A FUNCEB me informou que o dinheiro já está disponível para o depósito, só não sei por que o Fundo de Cultura não deposita. Quem faz projeto sabe que o orçamento é regrado, temos que fazer mágica para que o dinheiro seja suficiente para o trabalho, com as taxas altíssimas do banco e sem o depósito no tempo certo, algo do projeto terá que ser sacrificado. Sabe o que eles dizem? Que terei que tirar de alguma rubrica pessoal, ou seja, do meu salário mesmo, porque se eu tirar de um outro ítem tem que justificar e eles não aceitam esse tipo de pagamento.

Ficamos radiantes com as vitórias dos nossos projetos, acho que tem muita coisa positiva no campo da Dança, mas esse lance do repasse do dinheiro dos Editais nos deixa nervosos, tensos, preocupados. Ninguém toma uma providencia para agilizar o baba. Enquanto isso, o projeto já começou, porque assinamos o TAC e temos que iniciar imediatamente, independente se dinheiro saiu ou não. Já estou tendo reuniões com o pessoal do cenário, música, figurino, produção. Já estamos fechando com o espaço para ensaio, enfim... o projeto anda dentro dos TERMOS, conforme o ACORDO, mas o COMPROMISSO do pagamento não chega.

2 comentários:

Chorik disse...

É foda isso hein?

Gerana Damulakis disse...

Mas o dinheiro acaba saindo. Lembre-se: estamos na Bahia, tudo é muito devagar.