segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

O dia em que meu avô ganhou a Telesena

Estou descansando em Vitória da Conquista e este final de semana dei uma chegada para conhecer Brumado, cidade que me lembrou muito Santo Amaro, porém com muitas ladeiras.

Como não poderia deixar de ser, lembrei muito de meu avô Ismael e minha vó Zinha. Lembrei dos sabores da fritada, doce de banana raspando o fundo do prato, doce de leite, oração às 17h no corredor, janela, infância...

Irma, era o jeito que eu o chamava e temos estória ótimas de meu avô. Ele sempre comprava Telesena na esperança de ter seu dinheirinho e comprar os sonhos de final de vida. Num desses dias em que ele conferia o resultado do jogo chegamos do colégio, eu e minha irmã, e meu avô pediu que esta o ajudasse a verificar se tinha sido o grande premiado.

Irma anotava num papel todos os números de 1 a 100 e marcava os números sorteados sublinhando-os. Minha irmã ficou com o papel dos sorteados e meu avô com a cartela da Telesena que parece bingo. Ele, então, dizia os números da cartela e ela conferia se havia saído.

- Veja ai, Popa, número 15.
- Saiu, meu avô!

20 saiu, 33 saiu, 49 saiu..... Meu deus, faltava pouco para meu avô realizar seus sonhos! "Teu carro está garantido, minha filha." Dizia meu avô à minha mãe. Todos nervosos, contentes, fazendo planos. Faltando 3 números para ele completar a cartela inteira, batem na porta. Era o moço que fazia nosso transporte. "Não falem nada a este corno porque ele tem uma língua muito grande". Meu avô já com medo de sequestro. 54 saiu. Faltavam dois números. 71 saiu. Agora era a decisão. Paloma foi atender à porta e retardar a entrada do rapaz para que pudéssemos comemorar tranquilamente com meu avô que pegou o papel que estava com Paloma e foi verificar o derradeiro número.

"Não ganhei, minha filha! Por um número..." Ele foi conferir para ver se não estava errado e verificou os outros.

"Mas o 15 não saiu. o 20 não saiu. nem 49. 33 muito menos". A neta de posse de todos os números possíveis de sorteio não percebeu os sublinhados que eram poucos, e não dariam para o carro, para a vida, não dariam para os sonhos. Meu avô ficou tão decepcionado!

Hoje alimento as mesmas esperanças dele. Toda quarta e sábado me tranformo no mais novo milionário brasileiro na expectativa de ganhar a Megasena. Já tenho todo projeto escrito. Tem dias que jogo querendo ajudar o próximo, mas Deus não quer contribuição para creche, nem velhinhos em asilo, nem desabrigados de enchente, então penso egoísticamente e jogo só planejando meu consumo, mesmo assim Deus não disse para que veio.

Não entendo qual é o jogo de Deus. Estou aqui esperando minha irmã me confirmar se ganhei a mega acumulada de sábado, mas até agora nada dela me dizer.

Será que está esperando em voltar? será que está com medo de me decepcionar ou conferiu tudo errado como fez com meu avô?

4 comentários:

Bernardo Guimarães disse...

...ou será que ela arribou com o bilhete?

maria guimarães sampaio disse...

Se fosse eu não mandava Paloma conferir minha cartela... risos

Janaina Amado disse...

Delícia de história - eu também me sinto milionária várias vezes ao ano...

anjobaldio disse...

Muito legal. Grande abraço.