domingo, 28 de fevereiro de 2010

Letal Med

O título parece até filme de suspense, com direito a serial killer, polícia e tudo mais. É quase isso.

Nesta madrugada tive um mal estar e muita febre. Como o antitérmico havia acabado aqui em casa e em Salvador (na Barra) as farmácias fecham a meia-noite, não tive outra opção a não ser chamar a VitalMed, 1h da manhã. Eu e minha mãe passamos a madrugada na expectativa do atendimento. A febre não cessava, a madrugada não parava e a ansiedade só aumentava. A noite em claro se estendeu até as 5 horas da manhã, quando o dia já despontava no alto e a médica entrava afirmando que meu atendimento só havia acontecido por ser prioridade e que outras pessoas não seriam atendidas nessa madrugada porque ela estava sozinha para atender tantos pedidos.

É um absurdo uma pessoa com febre alta solicitar atendimento de emergência ter que aguardar 4 horas para isso acontecer. Se a febre atingisse 40 graus? mais do que isso? Se fosse um problema cardíaco? Quem saberá o que passavam as outras pessoas que não teriam atendimento?

Qual o conceito de emergência da Vitalmed? Se isso acontece num plano particular, imagine o nos atendimentos públicos!

2 comentários:

Gerana Damulakis disse...

Q absurdo. E como vc está, querido Edu?

clenio disse...

...e as escolas, pouco teem feito para que novos médicos possam surgir no mercado e melhorar a qualidade dos serviços de saúde prestados no nosso país.
cada dia que passa fica mais difícil entrar numa faculdade de medicina principalmente para os alunos de baixa renda, que são justamente os mais interessados em mudar a realidade dos serviços públicos de cuidado com a saúde popular. como sempre: O PROBLEMA É A EDUCAÇÃO!!!!