quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A morte e os impostos

Eu havia me prometido não comentar mais a respeito dos problemas com a Assessoria Internacional da SECULT, mas quem engole sapo é outro e não eu. Todos acompanharam a confusão da liberação do meu cachê para a viagem a França, a enrolação, a desorganização. Escrevi ao Sr. Secretário para ele ter cuidado com seus assessores, tive um retorno carinhoso dele, enfim... viajei, apresentei e voltei. Voltando sabia que o cachê já havia saído, como acredito que o que acertamos é o que será cumprido, porque cumpro com o que me comprometo, não me preocupei em verificar a quantia depositada. Quando chegou a fatura do banco, vejo que me tiraram mais de 800 reais, liguei para saber o que houve, quando a funcionária de tal orgão me responde que havia sido descontado imposto por um cálculo errado, ao invés de calcularem pelo líquido, calcularam pelo bruto. E aí? a resposta é a melhor possível:

"quando a gente nasce sabe que vai morrer e pagar imposto". Fim de papo.

5 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

secult... seria sinônimo de incompetência?

Luli Facciolla disse...

Desculpe a expressão:
É FODA!

Beijo

Bernardo Guimarães disse...

nem sei se é incompetencia...

Gerana Damulakis disse...

Pois comente sempre!!!Ninguém deve calar.

I.Moniz Pacheco disse...

Demais essa secult, né não?