sábado, 29 de maio de 2010

Ah, se eu fosse Marrilyn Monroe!


Sou um travesti caquético. Caco de dente na frente. Pêlos na cara. Nenhum amor. Fiz a vida que me coube fazer. Sobrou-me a peruca da Marrilyn. Puta gostosa que partiu com um coreano montado no aqué.





Meu corpo não deu muito pro gasto. Meu pau demorou a subir. Todos sabem que ocó gosta mesmo é de receber na bunda. Fica todo molinho pruma mulher comer seu cu. Eu que só queria dar, me estrepei. Travesti burra morre que nem eu.

Esse corpo de homem peludo: cara, braços, bunda, barriga, pernas... Pernas de cambito que ninguém aguenta ver. Fui ficando torta de vergonha de mim. Agora só me restou a peruca da Marrilyn. Hoje acordei como ontem. Sei que será mais um dia feliz. E que venha doce.


Fotos de Stéphany Mattanó

Ah, se eu fosse Marrilyn Monroe! é uma pesquisa iniciada em Itacaré, no Projeto do Ar, promovido pela Cia Pensamento Tropical, período de 17 a 27 de Maio, com a assistência de Débora Motta e Cathy Pollini.

4 comentários:

Terráqueo disse...

Sensacional. Inusitado, sensível, muito humano. Parabéns.

Fernando L disse...

Como falaria em outros locais

A-HA-ZZOU BEEE-SHA

HUAHuHA

Parabéns Edu o/

Bípede Falante disse...

Interessantíssimo projeto. Como ela era uma leitora voraz, ocorreu-me que ficaria bacana experimentar ser M.M sentando em uma cadeira feita de livros.
Edu, coloque mais para a gente ver!

Gerana Damulakis disse...

Bacana, Edu. Adorei o tema e vc escreveu um texto e tanto. E adorei as fotos.