terça-feira, 18 de novembro de 2008

Meu bloco

Fantasia Marriete Menezes vencedora do carnaval 2006
(com Pá, Fau, Zupa, Pri e Mário)


Pensei que hoje voltaria ao trabalho. Dormi com a expectativa do reencontro com os alunos, colegas, da curiosidade pelo espaço novo e desconhecido, da ansiedade em rever meus meninos e saber como estão. Uns casaram, outros tiveram outros filhos, os pequenos devem ter crescido e alguns não participam mais do projeto. Seria um recomeço!
Esperei, esperei, esperei....

Pensei, pensei, pensei....

Tive outra relação com a espera. Menos agonia e mais reflexão. Me vieram tantas imagens!

Imaginei as relações de amizade como um bloco de carnaval. Estamos todos próximos, uma só massa, às vezes nos desprendemos de um amigo porque o fluxo nos leva e segue quem está mais antenado, não pára para amarrar sapatos. Outras vezes estamos ligados a outro pela corda e mesmo distantes temos esta relação, esta certeza de que o outro está ali. Alguns se perdem na multidão e restam as lembranças da melhor coisa da vida que é a amizade. A pior imagem que tive foi dos amigos mascarados, esses que quando tiram a fantasia não sobra nada além da ilusão, é uma face desconhecida, é uma verdade que dói.

Cansado de esperar, subi o elevador, entrei em casa e tive a sensação, a maravilhosa sensação de estar entre os meus maiores amigos, esses que não são de bloco, não são de carnaval, esses que representam uma coisa só: minha família. Minha mãe estrela maior do meu carnaval e minha irmã, companheira de folia.


E o sorriso do pequeno grande mais novo amigo, meu sobrinho Rudá

3 comentários:

Bernardo Guimarães disse...

tem toda razão mas que o bloco aí está ótimo,está!
a tiara é 10!

Nei Lima disse...

E é nesse bloco que eu quero me perder!!!

maria guimarães sampaio disse...

Lindo! lindão!