quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Relato de uma tempestade - Primeira Chegada

Ele chegou como quem nao estivesse em nenhum lugar. Olhos mortos, rosto duro, vontade de nao ser. O relaxante muscular o fazia adormecer por dentro e se havia alguma beleza no lugar chegado, ninguém sabe, ninguém viu. Imaginava os disfarces, os dias representando outra coisa imaginada por outra pessoa. Repeticao de falas e gestos. Sabia que o efeito do remédio seria constante nessa viagem. Sem sorriso e adormecido, sonhava com o dia de retorno ao lugar de partida, mas agora apoia o rosto na mao aguardando o momento da outra chegada e o ouvido mergulhado no mais profundo mar ou quem sabe no utero, de onde nunca deveria ter partido.

22/11/2009 (primeiro capitulo)

3 comentários:

Chorik disse...

O primeiro capítulo é forte, um bocadinho de tristeza, um não querer estar. Quero ler sobre a virada do ânimo Edu, tem a eternidade para mudar essa novela. Combinado?

Gerana Damulakis disse...

Traçado o clima, vamos aguardar o seguinte capítulo. Estou gostando.

I.Moniz Pacheco disse...

Dá-lhe Du. Vire a página, vire o clima, dance, dance, dance.
Estou esperando o próximo capítulo.