segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Comemorando a minha vida

As contradições do corpo

Meu corpo não é meu corpo,
é ilusão de outro ser.
Sabe a arte de esconder-me
e é de tal modo sagaz
que a mim de mim ele oculta

Meu corpo, não meu agente,
meu envelope selado,
meu revólver de assustar,
tornou-se meu carcereiro,
me sabe mais que me sei.

Meu corpo apaga a lembrança
que eu tinha de minha mente,
Inocula-me seus patos,
me ataca, fere e condena
por crimes não cometidos.

O seu ardil mais diabólico
está em fazer-se doente.
Joga-me o peso dos males
que ele tece a cada instante
e me passa em revulsão.

Meu corpo inventou a dor
a fim de torná-la interna,
integrante do meu Id,
ofuscadora da luz
que aí tentava espalhar-se.

Outras vezes se diverte
sem que eu saiba ou que deseje,
e nesse prazer maligno,
que suas células impregna,
do meu mutismo escarnece.

Meu corpo ordena que eu saia
em busca do que não quero,
e me nega, ao se afirmar
como senhor do meu Eu
convertido em cão servil.

Meu prazer mais refinado
não sou eu quem vai senti-lo.
É ele, por mim, rapace,
e dá mastigados restos
à minha fome absoluta.

Se tento dele afastar-me,
por abstração ignorá-lo,
volto a mim, com todo o peso
de sua carne poluída,
seu tédio, seu desconforto.

Quero romper com meu corpo,
quero enfrentá-lo, acusá-lo,
por abolir minha essência,
mas ele sequer me escuta
e sai pelo rumo oposto

Já premido por seu pulso
de inquebrantável rigor,
não sou mais quem dantes era:
com volúpia dirigida,
saio a bailar com meu corpo.

(Carlos Drummond de Andrade: do livro Corpo, Ed Record, 1984)

Poema que recitei no enceramento do workshop de Elisa Lucinda e que posto hoje aqui para celebrar mais um ano bailando com a vida e suas poesias diárias.

8 comentários:

Cléa disse...

Parabén pra esse corpo que eu amo e que também é meu...

Gerana disse...

Maravilha comemorar com Drummond. Mais uma vez parabéns.

Maria Muadiê disse...

Edu, esses oratórios são feitos com que material?

Maria Muadiê disse...

Edu, acho que conheço sua mãe. Ela não expôs os oratórios durante o encontro de professores no Isba? Fiquei louca pelos oratórios em caixas de fósforo! Emocionante. Eu não tinha nem um tostão, vim em casa almoçar, voltei com $ mas ela já tinha ido!
Vou na exposição com certeza.
beijos
Martha

Luli Facciolla disse...

Pronto Edu! Comemoro com vc lá no Ainda Conto!

Beijo!

PS: adorei a cara clara do blog!

I.Moniz Pacheco disse...

Drummond, sempre Drummond.
Também adorei a nova cara do blog.
O meu está uma esculhambação. Não está atualizando as postagens de voces. Vou precisar de ajuda.

Renata de Aragão Lopes disse...

Fez um workshop
com Elisa Lucinda?
Que delícia...

Um beijo,
doce de lira

Andréia M. G. disse...

Drummond + Elisa Lucinda + Edu = MARAVILHA!