segunda-feira, 10 de agosto de 2009

É só uma justificativa

Carta à comissão julgadora dos editais culturais,

Esse negócio de Justificativa em projeto é complicado, viu? Cada um vai escrever maravilhas do porque você escolher o seu projeto e não o meu, por exemplo. Eu também poderia fazer a mesma coisa, mas não sei como tentar te convencer a bancar o meu projeto, sem parecer apelativo e sem cair no discurso convencional que permeia os projetos que contemplam pessoas com deficiência. Eu não saberei convencê-lo. Esse discurso eu não saberia fazer, mas é isso é o que você gostaria de ler? Se eu não colocar isso você entenderia? Como você receberia uma coisa que diz tanto de mim? Que me é tão importante? Que penso ser algo interessante ao outro também?

Cheguei aqui na Justificativa e travei. Travei para tudo! Não consegui nem mais escrever as cenas que estavam idealizadas. O meu subjetivo evaporou quando tive que objetivá-lo. Entrei em crise.

Pensei em falar que é importante patrocinar um projeto ousado, onde uma pessoa que tem um corpo excluído de todas as formas de mídia e esquecido pele senso comum quer expô-lo em praça pública e afirmar que tem muito mais gente interessada em seu corpo do que pensa a média da população.

Mas importante, importante mesmo não é matar a fome, dar educação, comida e condições dignas de vida? Então, minha justificativa vai por água abaixo e eu morro de vergonha. Por outro lado, eu posso te conquistar dizendo que é através dos meus projetos e obras que eu ganho a vida, que eu posso tentar uma vida confortável e ter um trocado para comer. Isso justificaria?

Ou então poderia partir para o discurso da acessibilidade que o próprio governo e MINC vem alardeando, confirmar o interesse crescente da população em projetos com abordagem similar, registrar minha participação em eventos relevantes da arte contemporânea mas como convencer a quem vai ler de que o meu projeto tem valor? Estas pessoas não conhecem meus trabalhos desenvolvidos, nem se interessam muito em ver o que fazemos, todos já tem seus grupos de preferência e o novo tanto faz. Devem ter em mente alguma cena do Criança Esperança, de resultados positivos, demonstrados no pátio da instituição ao som de “você é meu amigo de fé, meu irmão camarada”.

Estou desesperado, por favor, me diga o que poderia falar aqui para justificar ganhar este edital. O tempo é curto, preciso ainda fazer cotação orçamentária, imprimir, pegar documentos dos parceiros, enfim, uma trabalheira danada, mas você poderia me poupar disso tudo se dissesse que meus argumentos te fariam ler com atenção o meu projeto ou não.

10 comentários:

Abrantes disse...

Edu, a gente não quer só comida. Não há nada pra vc se envergonhar em seusargumentos...
Esses editais...infelizmente, não sei como te ajudar, mas te desejo muita sorte.
beijo

maria guimarães sampaio disse...

ái, Edu! a batalha dos projetos...

Gerana Damulakis disse...

Compreendo demais.Dá vontade de mudar o mundo, mas sempre somos tão poucos.

Chá das Cinco disse...

Estou aqui por uma razão, pedir para você deixar no meu blog uma mensagem contra a VIOLÊNCIA no TRÂNSITO, no post " JUSTIÇA".

Sei que o irresponsável e os seus advogados procuram no Google notícias que tenham o nome do autor do crime, essa seria uma maneira de comunicarmos com ele e mostrarmos o nosso repúdio.A violência no trânsito mata mais do que as guerras.
Estou lutando duas vezes, uma contra o poder econômico do criminoso e outra contra o desrespeito as nossas leis.
Conto com a tua colaboração.
Gemária Sampaio

Chá das Cinco disse...

Obrigada pelo apoio, muitas vezes diante dos problemas não encontramos uma maneira de ajudar, mas a solidariedade é a maior delas.
Tenho certeza de que o bêbado assassino vai ler o que você escreveu, na época a matéria esteve em todos os jornais e tvs do país e em alguns importantes jornais do mundo.
Ele é economista e mora num luxuoso apartamento no endereço mais caro do Rio de Janeiro,ele nunca se preocupou como estou fazendo para criar a minha filha,nenhuma ajuda psicológica ou financeira.
Para mim é importante que o nome dele apareça na Internet,uma pessoa como ele não pode ficar no anonimato.
A lei seca vigorou, mas não está havendo a punição esperada pelas famílias das vitimas.
Mais uma vez obrigada.

Maria Muadiê disse...

Só pra esclarecer:

Edu, esse Abrantes sou eu, Martha.
beijo

karina rabinovitz disse...

pois é Edu,
essa condição que nos colocam de pra ser artista por aqui, ter que ficar se justificando...
confesso que ando também um tanto cansada de me justificar...

quanto a sua justificativa, sugiro que coloque todos estes tópicos que você mencionou, coloque o que sente. a maioria das vezes o que é mais natural, mais verdadeiro é o melhor pra ser dito!

beijo!

Luli Facciolla disse...

Ai Edu... Tomara que vc ache logo a justificativa...
Se a banca fosse comigo, já estaria aprovado na hora!

Beijos

Andréia M. G. disse...

Oi, Edu! Concordo com Karina. Sua justificativa já está pronta, vc pontuou tudo em seu post. Espero que dê tudo certo!

imonizpacheco disse...

Eis uma grande batalha. Justificar a sua arte para gente que está do outro lado!
Prá mim seu projeto já está plenamente justificado.
Beijo e coragem!