sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Caso Marcelo Lima

Este caso foi com um amigo nosso, menino nascido na minha cidade, com tanta vida pela frente. Aqui está a carta de uma mãe sem seu filho e a mercê da lei. Lei?

Caros Amigos,

Chamo-me Célia Lima, mãe de MARCELO LIMA, que no dia 08/10/2006, aos 27 anos, foi assassinado no OKTOBER FEST, em Feira de Santana-Bahia.

Meu filho, Marcelo Lima, nasceu em Santo Amaro da Purificação-Bahia, formando em Engenharia Civil pela Universidade Católica do Salvador (2007.1) sempre dedicado, era destacado em todos os estágios como: Liceu de Artes da Bahia, MRM, Reforma do Fórum Ruy Barbosa, Construção do Restaurante Gerimun, entre outros.

Meu filho era um jovem feliz. Sua alegria, fidelidade, humildade, sinceridade, contagiava todos o que conhecia. Como mãe é difícil falar sobre Marcelo, ele foi uma benção de Deus em nossas vidas. Acredito que neste momento ele está ao lado do nosso “Pai Celestial”, e que já foi recompensado pelo bem que fez aqui na Terra. É o que me conforta...além da certeza, de que um dia, poderei reencontrá-lo e não mais nos separar...

Marcelo tinha uma vida inteira pela frente, mas teve seus sonhos, sua carreira e projetos interrompidos brutalmente por assassinos que continuam circulando livremente, curtindo a vida como se nada tivesse acontecido, como se a vida de um inocente não tivesse nenhum valor.

É doloroso demais perder um filho, principalmente nessas circunstâncias. Minha vida não tem mais sentido, perdi toda a alegria de viver. Minha família desestruturou-se e todos nós estamos sofrendo muito. A dor que sinto causada por esses criminosos é indescritível, as lágrimas, a saudade, o espaço deixado por meu querido Marcelo jamais será preenchido.

Marcelo foi agredido na área VIP do camarote do OKTOBER FEST. Sempre solidário, ao avistar seu amigo sendo agredido, dirigiu-se para prestar-lhe socorro, mas esses assassinos dotados de uma fúria animal, desferiram-lhe um soco, vindo a cair sem chances de defesa. Insatisfeitos, atingiram-no com inúmeros chutes na cabeça que geraram lesões fatais em pleno local da festa.

Caros amigos, os assassinos continuam soltos e impunes. PEDRO HENRIQUE OLIVEIRA e DERALDO PEREIRA FILHO continuam agindo como se nada tivesse acontecido usufruindo de grandes influências políticas e financeiras para que o caso de meu filho se passe apenas como mais um sem punição.

Sou refém diante de tantos presentes dados aos assassinos graças as brechas do “Maravilhoso Código Penal Brasileiro”. Onde está a justiça de nosso País? Impunidade gera Impunidade e Fomenta a Perpetuação do Crime. Sinto-me impotente diante de tão grande poder dado a estes “Poderosos Criadores de Leis” que punem as vitimas e beneficiam os assassinos.

Sou mãe e sinto-me condenada pelas leis brasileiras que dá brechas e não permite punições rígidas e severas para os assassinos. Sou punida pela dor, lágrimas, prisioneira da saudade deixada pelo meu querido filho que foi tirado de mim de uma maneira tão cruel. Precisamos de JUSTIÇA. Precisamos acabar com essas Leis que sempre beneficiam bandidos e punem as vitimas impedindo o Poder do Supremo da Justiça.

Amigos, a dor que invade o meu peito jamais poderá ser recuperada. Sou mais uma vitima de uma barbaridade e mais um caso de luta por Justiça...Ajude-me, a divulgar este caso, vamos lutar por punição, concretizando assim mais um passo da nossa longa e árdua caminhada rumo a Justiça e em prol da Paz do nosso País.

Célia Lima

Mãe

Contato: www.casomarcelolima.com.br

3 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

do lado de cá, o que dizer? o que fazer?

Renata Belmonte disse...

Sempre fico horrorizada com este tipo de coisa...
:(
Triste, muito triste.
Bjs

I.Moniz Pacheco disse...

É assim o nosso país. As leis só existem para os pobres. Que podemos fazer além de escolher bem(como se procurasse uma agulha num palheiro) os nossos representantes, e uma vez eleitos, acompanhar as suas ações?
A discussão está aberta.