terça-feira, 27 de novembro de 2007

Sobre Aguarrás

Aguarrás foi o início de tudo. Lembro que fazia faculdade de Belas Artes e amando muito uma pessoa que não me amava nem me amaria como eu gostaria que acontecesse, me sentindo muito só, aquela solidão de quem nunca tinha sido amado, entende? Este texto me veio completo, de uma só vez, me dilacerando, me doendo e eu expurgando. Daí peguei uma matéria na Escola de Teatro e apresentei para a atriz Renata Celidônio para ela ver se era bom. Eu não havia escrito Aguarrás pensando em nada, era somente para tirar aquilo de dentro de mim, mas o fim dessa história foi minha primeira aparição num palco, dirigido por Nei Wendel, em 1998, num ATO de 4 (projeto incrível que ainda existe toda segunda-feira na Sala 5) . De lá para cá escrevi muitas coisas, algumas viraram Monólogos na Madrugada (criação minha com meu irmão/amigo Zunk Ramos e encenado, além de nós, por maravilhas como Cristiana Ferreira, Fabrício Boliveira, Marita Ventura, Larissa, Patrícia Rammos, Chico Pithon, Sebah, participação de Fafá Daltro, Marcela Bellas, Júnior e Márcia Castro), outras Estação Limite (Zunk também e uma trupe do Rio), outra Sem Açúcar (direção: Maurício Pedrosa comigo, Maurício, Gilson Garcia e Emanoel Nogueira)...
Aguarrás foi o início de tudo! De lá pra cá subi em inúmeros palcos baianos, cariocas, paulistas, mineiros, paraibanos e até franceses e portugueses. De lá pra cá construi uma carreira que tem me dado muita alegria. As artes plásticas perderam um artista medíocre, mas a dança ganhou um artista empenhado.
Não tenho escrito como antes. Não tenho tido tantas tristezas para expurgar. A última foi Judite, meu xodó, minha filha, meu maior sucesso e orgulho. Judite a tal da lagarta que não quer voar porque tem medo de tudo, me fez voar mais alto do que pensei. A lagarta que vive na trsiteza me deu grandes alegrias.
Aguarrás foi o início de tudo!!!!!!!

Um comentário:

Zunk Ramos disse...

Fiquei surpreso ao catar no google algumas informações e colher outras que me deixam feliz. sinto-me parceiro dessa empreitada, e quero continuar enquanto isso tudo nos fizer bem. Pessoa que amo, talento que admiro, garra que me inspira, sucesso que compartilho, boca que beijo, suor que tranpiramos, amizade que traduz duas vidas em uma única história que se encontrou há 31 anos atrás) (acho que foi isso), num lugar, numa escola, numa praça, na porta de uma igreja, numa pequena estrada que nunca nos separou, numa nova, hoje velha santo amaro, lugar que nos traduz. Te amo meu nego, amigo, primo, irmão, xódade!!! rs